— Tolisses

Coisas do Ulisses Mattos

Archive
Tag "super-heróis"

Este mês foi realizada a primeira edição do Nerd Rio, evento organizado para celebrar quadrinhos, games, cosplays, webcelebridades etc. Quando soube, fiquei com muita vontade de comparecer, mas ainda fiquei com um pé atrás (mais adiante explico por quê). Acabei indo mesmo, mas de uma forma muito muito muito legal: como integrante de um debate entre humoristas sobre super-heróis. Fui chamado para a seção “O Maior Super-Herói de Todos os Tempos”, ao lado de Fernando Caruso, Rafael Studart e Henrique Wikz, onde cada um defenderia um personagem diante das situações propostas pelo mediador, Pablo Peixoto.

Pela reação da plateia durante e depois do evento, o resultado foi muito melhor do que se esperava. O vídeo abaixo registra todo o debate, recheado de piadas sacanas, acusações ultrajantes e defesas absurdas. Eu fiquei com a tarefa de fazer Wolverine vencer. Acompanhem aí o papo para ver quem venceu:

Ah, sim. Por que fiquei com um pé atrás de comparecer ao Nerd Rio? Como minha adolescência foi nos anos 80, nunca tive muita vontade de me assumir como nerd. Agora todo mundo bate no peito pra dizer que é, mas pra mim ainda fica difícil fazer isso. É claro que já fui a alguns eventos de quadrinhos e seriados de TV, que obviamente eram dedicados a uma parcela do público nerd. Mas isso era apenas insinuado, implícito. Agora o “nerd’ vai no nome do evento, não tem como esconder.

Com o convite do organizador, Marcos Castro, ficou mais fácil aparecer. Se alguém me perguntasse lá se eu sou nerd, ia dizer apenas que estava lá pra falar de super-heróis, que são a versão moderna das velhas mitologias. E para fazer piadas, trabalhando como humorista. Daria meu jeito para não me assumir nerd. Aliás, tive que fazer isso diante de uma câmera, em uma ótima reportagem da TV Facha. Vejam, em 1:30, um dos meus depoimentos:

Espero que me chamem para as próximas edições. Só assim curto tudo de dentro do armário nerd.

Engana-se quem acha que os super-heróis não têm vida sexual ou sofrem com suas taras ou opções. Mas como os gibis são lidos por algumas crianças, nada é mostrado. E é justo porque não conseguem ter uma vida erótica satisfatória que muitos heróis procuram se realizar fora da cama, caçando e combatendo exaustivamente os vilões e ameaças da humanidade. Veja alguns casos de frustrações sexuais de nossos protetores:

Super-Homem – Pobre Kal-El. Único ser de sua poderosa raça. Super-homem é praticamente um homem virgem. Na adolescência, quando seus poderes ainda tinham menor intensidade, foi a um prostíbulo de uma cidade perto de Smallville. O jovem Clark Kent não conseguiu terminar o serviço, pois seu vigor deixou a prostituta em coma. Seus pais adotivos até tiveram que subornar a polícia para não prenderem o jovem alienígena, já que, diante do estrago causado, todos acharam que ele tinha estuprado a meretriz. Desde aquele dia, Super-Homem teve que se contentar com uma vida dedicada ao o­nanismo. Seu casamento com Lois Lane não envolve sexo. Super-Homem tenta satisfazê-la apenas com seus quentes raios óticos, alternando com supersoprinhos.

Wolverine – O poder de se recuperar instantaneamente de qualquer lesão física é ao mesmo tempo uma benção e uma maldição para o mutante canadense. Um corte em Wolverine cicatriza em questão de segundos. Por essa razão, Wolverine nunca conseguiu ver sua própria glande, que está sempre coberta por uma densa pele. Nenhuma cirurgia de fimose deu jeito, já que assim que o bisturi cortava o prepúcio, ele se auto-reconstituía. Wolverine tem ereção e consegue penetrar orifícios, mas não tem nenhum prazer. Por isso é tão nervoso.

Senhor Fantástico – Reed Richards, líder do Quarteto Fantástico, tem um problema evidente com seu corpo elástico. Pode-se perceber que quando seu braço estica, fica sem consistência. O mesmo ocorre com seu pênis, que quando aumenta quando excitado, perde toda a rigidez. Pode-se dizer que o Dr. Richards é fantasticamente impotente. O mesmo mal assola o Homem Elástico, aquele do suspeito colante vermelho.

Batman – Este sombrio herói é obcecado por morcegos. Adora se vestir como morcego, morar como morcego (em caverna) e agir como morcego. O problema é que os morcegos são grandes sugadores. E é assim que o perturbado bem-feitor procura prazer: apenas sugando ou lambendo. Adepto apenas do sexo oral, Batman dispensa penetrações. No começo de suas relações, suas namoradas até ficam felizes com a habilidade oral de Batman, mas logo se aborrecem quando percebem que o sujeito é incapaz de consumar o ato e entrar em cavernas mais apertadas.