— Tolisses

Coisas do Ulisses Mattos

Turma crescida

Finalmente aconteceu. A Turma da Mônica ficou adolescente e seus personagens estão amadurecendo, se descobrindo. O primeiro passo foi o beijo entre a Mônica e o Cebolinha. Leitores já pleiteiam o envolvimento de Magali e Cascão. Em breve, acredito e gostaria de ver, o titio Rolo dará um trato na bela balzaquiana Tina. Sim, não tem mais volta. Adaptando o clima das histórias para os dias de hoje, cabe aos estúdios Maurício de Souza ser o mais realista possível, expondo a intimidade da turminha que agora cresceu e desenvolveu as peculiaridades sexuais que eram apenas sugeridas em sua infância. Com vocês, sugestões para explorar a sexualidade da Turma da Mônica Jovem:

Mônica: Não é segredo que a ex-gorducha sempre sentiu prazer em bater em seus coleguinhas. A nova Mônica é uma legítima dominatrix, adepta do sadomasoquismo.  O coelhinho encardido deu lugar a chicotes e algemas.

Cebolinha: Os leitores já perceberam que o garotão não tem mais a língua presa, que o fazia trocar o “R” pelo “L”. A língua, aliás, está bem mais solta. Pudera. Cebola agora é um mestre no cunilingus, ou seja, a arte de fazer sexo oral em mulheres. Há quem diga que ele não tem uma ereção muito firme, tendo trocado seu problema de fala por problemas de falo. Mas ele compensa com sua habilidade e ganhou o apelido íntimo de “língua glande”, num trocadilho bem-humorado com sua antiga deficiência de comunicação.

Magali: A menina tinha grande fixação em comida. Com o tempo, diante da ditadura da boa forma, teve que parar de comer tanto, para não ganhar peso e ficar como a Pipa balzaquiana, que disparou na balança e se tornou a verdadeira musa do sexo bizarro. Mas como Magali largou seu problema psicológico, como deixou de botar tanta coisa pra dentro? Ela não deixou. A ninfeta hoje busca satisfação fazendo sexo com comida, modalidade já explorada em algumas cenas do filme 9 ½ semanas de amor. Se bem que morangos e leite-condensado perdem em sua preferência para pepinos, mandiocas e berinjelas.

Cascão: Sim, agora o porquinho toma banho. Não porque gosta. Mas porque é preciso, pois depois de cada sessão de sexo, seria impossível andar por aí sem se lavar. Cascão se amarra em sexo sujo, que envolva elementos não-convencionais. Chuva Dourada? Ele gosta. Coprofilia? Por que não? Digamos que Cascão viu o vídeo Two girls and a cup sem nojo nenhum, com uma das mãos ocupada.

Franjinha: O pequeno inventor se tornou um nome precocemente bem-sucedido na indústria de brinquedos eróticos. Seus sex-toys fazem a cabeça dos crescidinhos mais liberais. Franja criou vibradores revolucinários, cadeiras para múltiplas posições, vaginas de borracha sensacionais e bonecas infláveis realistas. Era para ser um grande amante. Mas no papel de CDF da turma, o rapaz sempre indicou que seria um nerd. Com a internet, Franja se afundou no prazer solitário. Preferiu se enfurnar em seu laboratório e aliviar a tensão da criação incessante através do onanismo.

Titi: Personagem secundário, nunca ganhou muita atenção. Era um dos poucos que já tinha namorada na infância. Sim, Titi sempre foi curioso. Não só com o sexo oposto. É um bi-curious. Com o tempo, depois de descobrir a bissexualidade com o amiguinho Xaveco (outro coadjuvante), o garotão acabou enveredando pelo cross-dressing, um jeito moderninho de classificar os travestis. Mas ele não gosta que o chamem assim, ainda mais quando zombam dele com o apelido de “travesTiti”. Ah, ele continua dentuço, pois não largou a chupeta até hoje…

O Louco: O sujeito já foi mais feliz sexualmente. Antigamente, não se falava tanto em pedofilia e ele podia variar seu número de parceiros mais facilmente, andando com a turminha de garotos. Sim, ou você nunca percebeu que o Louco, dando uma de stalker pra cima do Cebolinha, sempre foi pedófilo? Tem até uma comunidade no Orkut para quem compartilha dessa opinião. Hoje, o Louco faz tratamento de castração química, tomando remédios para diminuir sua libido.

 

Por Ulisses Mattos

Publicado anteriormente no blog da M… Corporation, com o pseudônimo Odisseu Kapyn, em novembro de 2008.

0 comments
Enviar comentário